Acervo documental da Jucemat será todo digitalizado com apoio do Sebrae/MT

No prazo de 5 meses a documentação de empresas constituídas em Mato Grosso terá sido convertida em 8,7 milhões de imagens digitais.

Aporte de aproximadamente R$ 2 milhões pelo Sebrae à Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat) permitirá digitalizar todo o acervo documental da instituição. A meta é concluir o trabalho de captação das imagens digitais de atos jurídicos de empresas constituídas, contratos sociais e guias de pagamentos, entre outros documentos, até maio de 2019.


A modernização da Jucemat, apoiada pelo Sebrae, iniciou em 29 de janeiro de 2018. Desde então, já foram obtidas 2,7 milhões de imagens. Os arquivos contidos em 9,964 mil caixas serão convertidos em 8,7 milhões de imagens ao final do processo de digitalização.


A transformação dos documentos em imagem digital é precedida de um trabalho minucioso, que consiste na retirada de grampos e clipes, bem como ajustes de páginas dobradas ou rasgadas, detalha Rodolfo de Moraes Rodrigues, proprietário da RedxCorp, empresa licitada para o serviço de digitalização na Jucemat. Após a depuração para digitalização, os documentos foram colocados em caixas de padrão arquivo. “A previsão é trocar quase 10 mil caixas para esse novo sistema de arquivamento”, complementa Moraes.


A modernização da Junta Comercial é fundamental para melhorar a prestação de serviços ao empresariado mato-grossense, composto majoritariamente por pequenos negócios. Em todo o Estado estão ativas 272,808 mil empresas, informa a presidente da Jucemat, Gercimira Rezende.


“O Sebrae está proporcionando a reestruturação da Jucemat, de todo um processo que começou manuscrito, depois passou para máquina de escrever, computador e agora entra na era digital”, contextualiza. Conforme ela, sem a parceria com o Sebrae seria impossível avançar na modernização.


“Tínhamos um sistema muito arcaico, mais de 20 anos sem evoluir”.


Mensalmente são realizadas reuniões de acompanhamento do processo de digitalização do acervo documental da Jucemat, com a participação de representantes do órgão governamental, do Sebrae/MT e da empresa responsável pela execução do serviço. O último encontro foi realizado no dia 19 de dezembro, na Jucemat.


Integração – A parceria com o Sebrae permitiu modificar todo o procedimento interno, com a aquisição de um software e posterior integração à outros órgãos, migrando a constituição de empresas para o meio digital. “Hoje, de qualquer lugar do mundo o empresário pode constituir uma empresa em Mato Grosso”, observa a presidente da Jucemat.


“O empresário assina o certificado digital e pode iniciar ou alterar o capital social, endereço da empresa e até mesmo fazer a baixa”, detalha. Essa possibilidade se tornou factível com a integração de órgãos envolvidos nos processos de abertura e encerramentos de empresas desde que foi implantado o sistema Redesim.


Em um estado de dimensões continentais como Mato Grosso, essa integração é um avanço, avalia Rezende. “Antes usávamos malotes para despachar ou receber documentos, que demoravam uma semana para chegar”, relembra.

Atualmente a Redesim é operacionalizada em parceria com 08 prefeituras no Estado.


Além de Cuiabá, o sistema funciona em Rondonópolis e Lucas do Rio Verde. Em dezembro deste ano, expandiu para Primavera do Leste, Sorriso, Nova Mutum, Cáceres e Campo Verde. Independentemente da adesão das prefeituras, já estão integrados à Redesim a Jucemat, Receita Federal, Secretaria de Fazenda (Sefaz), Corpo de Bombeiros, Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e Vigilancia Sanitária Estadual, explica Rezende.


“Naqueles municípios inseridos (na Redesim), os empreendedores conseguem a licença de funcionamento mais facilmente. Mas, a constituição da empresa começa na Jucemat e Receita Federal, com a obtenção de CNPJ e Inscrição Estadual”, reforça a presidente da Jucemat.


Com a Redesim, o prazo para constituição jurídica foi encurtado para até 48h em Mato Grosso. Antes da implantação do sistema, empreendedores aguardavam até 120 dias para regularizar a abertura de uma empresa no território mato-grossense, complementa o gerente de Competitividade do Sebrae/MT, Sandro Rossi.


A desoneração é outro benefício assegurado aos empreendedores, prossegue ele. Isso porque a simplificação dispensa cópias de todos os documentos e protocolos nos órgãos relacionados ao funcionamento de uma nova empresa, que também estão integrados a Redesim.


O volume de documentos exigidos varia conforme a classificação da empresa, que pode ser de baixo ou alto risco.


“Com a Redesimples as empresas têm mais acessibilidade digital e redução de burocracia. Isso impacta na competitividade das empresas, especialmente nos pequenos negócios, porque os empreendedores precisam de respostas rápidas”, conclui.


#sebrae #documentos #digitalização #juntacomercial #cuiaba #mtarquivo

Posts Em Destaque
Posts Recentes