Jornalista Neila Barreto lança obra em homenagem a Sarita Baracat


Aquela que foi a primeira prefeita de Várzea Grande, recebeu na noite desta terça-feira, 18, uma grande homenagem em forma literária. Sarita Baracat teve sua biografia lançada pela escritora Neila Barreto.


O lançamento do livro aconteceu, na Praça de Alimentação do Várzea Grande Shopping. Autoridades e nomes importantes da história do município estiveram presentes na cerimonia de lançamento da obra, da editora Entrelinhas, escrita com a ajuda da própria gestora pouco antes de sua morte aos 86 anos, em 09 de outubro de 2017. O evento contou com o musical de Sônia Mazzeto e a declamação de poesia de Cassyra Vuolo.


O livro é um relato documental da gestora que declarava preferência ao título de professora sobre qualquer outra função. “Ela foi muitas coisas durante a vida, ocupou muitos cargos, mas era ser professora o que, de longe, a dava mais orgulho”, disse o jornalista e filho da biografa, Fernando Baracat, que prestigiou o lançamento da obra que homenageia a mãe.


“O livro apresenta a história de uma mulher do século XX que vivia a frente do seu tempo. A autora registra singularidades e contextualiza a vida da filha de imigrantes sírios que ousou quebrar paradigmas em seu tempo e em um território marcado por espaços bastante restritos na atuação feminina. Em seus depoimentos para a autora Sarita conseguiu transmitir momentos memoráveis em que foi possível tecer alguns detalhes da sua vida, restaurados gestos, atitudes, curiosidades, confissões inesperadas, amistosa convivência, um discreto sorriso e ouvir suas canções à terra amada. Acrescentados aos depoimentos de pessoas que com ela conviveram, acompanhando momentos importantes de sua vida, constituíram as fontes que possibilitaram a publicação deste livro”, conta Fernando com orgulhoso da trajetória de sua mãe agora registrada.


A editora Maria Teresa Carrión Carracedo contou que a edição ficou pronta em dezembro de 2017, pouco depois do falecimento de Sarita Baracat. A data de lançamento da obra foi proposital, afirmou a editora. “Escolhemos data próxima ao natalício de Sarita, que em 29 de dezembro deste ano faria 87 anos”

Neila fala do orgulho de escrever sobre uma mulher tão autêntica como Sarita, que sempre mostrou sua bravura e sabedoria frente as dificuldades: “Enquanto eu reunia as informações para a obra e via aquelas atas de discurso, eu percebi a dureza com a qual os homens a tratavam, mas, acima de tudo, vi também a natureza diplomática da Sarita em lidar com as situações”, conta Sarita.



Essa “viagem” pela vida de Sarita mostra com detalhes a história da primeira prefeita de Várzea Grande, cargo esse que só veio a ser ocupado novamente por uma mulher em maio de 2015, por Lucimar Campos, que continua no executivo municipal até hoje, inclusive esteve presente no lançamento da obra e em poucas palavras da admiração e respeito que tem por Sarita. “Foi uma visionária para seu tempo, quando 50 anos atrás implementou mudanças importantes para a consolidação da nossa cidade. Infelizmente ela não pode estar hoje aqui conosco prestigiando esse momento, mas sabemos de onde está se orgulha de sua trajetória e contribuição brilhante pela nossa Várzea Grande, e isso o livro pode nos contar em detalhes declarados por ela mesma”, declarou Lucimar.


REGISTRO


Sarita Baracat de Arruda faleceu aos 86 anos, nasceu em Várzea Grande e entrou para a história de Mato Grosso como a segunda mulher a ocupar um cargo público no executivo do Estado. Foi entre 1967 e 1970, quando tornou-se prefeita de Várzea Grande, cidade onde viveu a maior parte da vida. Oito anos depois, foi eleita deputada estadual entre 1978 e 1982. Como o sobrenome já revela, a família Baracat é de origem síria.


Seus pais, Miguel Baracat e Warda Zain, vieram a se conhecer e casar na Argentina. De lá, mudaram-se para Várzea Grande com seus filhos Sarita mais outros sete irmãos. Com apenas 20 anos, Sarita foi trabalhar como tesoureira da Prefeitura de Várzea Grande. Dois anos depois, começou a dar aulas de sociologia, história e geografia. Meados de 1957 ela decidiu seguir carreira política, concorrendo ao cargo de vereadora. Foi a mais votada naquela eleição o que foi um marco em sua trajetória. Em 1960, casou-se com Emanuel Benedito de Arruda e foi mãe de dois meninos: o colunista social e jornalista Fernando Baracat e o também ex-deputado Nico Baracat.


Há apenas 35 dias para as eleições do ano de 1966, da Prefeitura Municipal de Várzea Grande, o coronel Ubaldo Monteiro da Silva, então deputado estadual, desistia de sua candidatura à prefeitura e alegando problemas particulares. Sarita que entrou na disputa sem a preocupação em ganhar, acabou sendo eleita. Se “apenas queria participar e esperar o resultado, e se perder, também, fazia parte”, diz um trecho da biografia dela.

Da Redação


Da Redação

#cultura #literatura #livro #neila #sarita #baracat

Posts Em Destaque